sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Efeito Mandela – Uma realidade paralela do Universo?



O “Efeito Mandela” é um fenômeno criado após a morte de Nelson Mandela, onde várias pessoas pensavam que ele já havia morrido na década de 80. Mudanças na cultura e história que não estão em sincronia com a lembrança daquele evento é dito como parte do Efeito Mandela.


A frase “Efeito Mandela” está crescendo em um ritmo exponencial desde julho de 2015 de acordo com o Google Tendências. Parte do que está alimentando o rápido aumento na discussão sobre o efeito Mandela é que alguns dos jornalistas que escrevem artigos sobre o aumento do interesse nestes fenômenos estão experimentando ele também. Um repórter notou que uma sequência de amor brega frequentemente lembrado entre dois personagens no filme de James Bond, Moonraker, não existe mais, apesar de sua lembrança (e minha também) de que “Dolly tinha aparelho nos dentes”.

O “Efeito Mandela” recebeu este nome depois que o revolucionário Sul Africano anti-apartheid Nelson Mandela se tornou um tópico de interesse no ano de 2010 com muitas pessoas notando com surpresa que ele estava vivo naquela época, já que elas se lembravam dele ter morrido na prisão. Eu tinha publicado relatos semelhantes de mortos sendo observados vivos novamente no meu livro de 1999, “Mudanças de Realidade” e relatado em primeira mão no site RealityShifters com relatos de pessoas em todo o mundo percebendo muitas pessoas que lembravam estar mortas aparecendo vivas novamente. Estas observações são apenas um dos muitos tipos de Efeito Mandela, com outros exemplos notáveis incluindo alterações de letras de músicas, diálogos de filmes, cenas de filmes, geografia física, anatomia fisiológica e nome de produtos.




O Efeito Mandela é uma daquelas coisas que a maioria das pessoas não acredita até que aconteça com ela. Como se apaixonar ou passar por um desgosto, o Efeito Mandela é algo que você tem que experimentar a fim de abraçar plenamente. E mesmo assim, muitas vezes leva mais do que uma ou duas experiências para romper a resistência, a maioria de nós tem que aceitar a existência de algo que desafia fundamentalmente a nossa suposição fundamental tácita, de que fatos e eventos históricos não mudam. Este viés perceptivo foi poeticamente expresso no Rubaiyat.

Artigos escritos por algumas pessoas sobre suas experiências do Efeito Mandela mostram evidências do aumento da consciência popular. Artigos escritos por pessoas que vivenciaram o Efeito Mandela incluindo Mark LaFlamme do Lewiston Sun Journal (“O efeito está me enlouquecendo”), ele notou uma mudança de lado no qual seu pai está de pé em uma foto antiga da família, também Karl Puschmann do New Zealand Herald diz (“Berenstein ou Berenstain O enigma está fazendo os amantes do livro ficarem loucos ?”), onde certos livros infantis populares deveria estar escrito “Berenstein” e não a forma como eles “estão escritos”, como Berenstain.




Quando entendemos que as nossas estruturas de crenças são criações de nossas mentes, começamos a perceber como as estruturas de crenças individuais podem variar de pessoa para pessoa. O que uma pessoa considera ser realista e fato, pode parecer absurdamente peculiar para outra. Mesmo a ideia de que outras pessoas realmente enxergam imagens em suas mentes pode parecer estranho para algumas pessoas, muito menos o que estas pessoas veem. Quando pessoas o suficiente mudarem suas estruturas de crenças de como olham para o mundo, os paradigmas culturais vão mudar.



Fonte : A Luz é invencível

Nenhum comentário:

Postar um comentário